Jornalismo Online

Reportagens desenvolvidas pelos estudantes do curso de Jornalismo da UCDB.





Busca

sábado, 22 de agosto de 2009

Dança anima e homenageia 110 anos de Campo Grande


Foto: Edilene Borges

Por Evellyn Abelha

O projeto “A dança que a cidade dança” reuniu 27 grupos de dança em comemoração ao aniversário da capital. Em sua segunda edição, o evento foi realizado nos dias 15 e 16 na Concha Acústica Helena Meirelles, localizada no Parque das Nações Indígenas. Com entrada gratuita, a população campo-grandense ganhou uma opção extra de lazer no final de semana.
Na primeira noite de apresentações subiram no palco os grupos de danças folclóricas e étnicas. Através dos movimentos eles mostraram a diversidade cultural presente em Campo Grande e empolgaram o público. Doze grupos comporam o espetáculo, foram eles: Tradições Portuguesas; Mukando Kandongo; Bárbara Albino – Dança Indiana; Litani – Grupo Árabe Brasileiro de Folclore & Dança do Ventre; Isa Yasmim Cia de Dança; Associação Okinawa de Campo Grande; Nidal Abdul; Embrujos de España; Grupo de Dança do Ventre Ana Aysha; Grupo de Dança do Colégio Tic-Tac; Anita Amizo; Associação Sul-matogrossense de Cultura e Etnia Cigana.
No domingo as apresentações ficaram por conta das danças cênicas e de salão, ballet clássico e contemporâneo, jazz e street dance. Desta vez 15 grupos foram aplaudidos pelas suas performances: Academia Mais; Beatriz de Almeida Estúdio de Dança; Zoe Escola de Dança; Cia Verbo; Ballet Isadora Duncan; Dançurbana Cia de Dança; Funk-se; Unidança & Rosana Cintra Ballet School; Grupo Juvenil de Dança de Campo Grande; Grupo Imagens; Grupo Nova Geração; Grupo Maktub; Baraque Street Art; Ararazul Cia de Dança – UCDB; Bailah – Grupo de Dança de Salão da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul.
A realização do evento é uma iniciativa do governo do Estado, através da Fundação de Cultura de Mato grosso do Sul – FCMS. O espetáculo foi dirigido pelo presidente da FCMS, Américo Calheiros e sob coordenação de Renata Leoni, responsável pelo núcleo de dança da fundação.

Entrevista Denise Parra

O olhar de um profissional video

Ficha técnica
Repórter: Daniel Hnrique
Imagens: Edilene Borges
Edição: Edilene Borges

Entrevista Bárbara Albino – Dança Indiana

video

Ficha técnica
Repórter: Daniel Henrique
Imagens: Edilene Borges
Edição: Edilene Borges

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Ritmos diversos embalam a cultura da capital Morena


Foto: Edilene Borges

Por Evellyn Abelha
Resultante de uma rica miscigenação cultural, a cidade de Campo Grande conta com a manifestação de inúmeros tipos e grupos de dança. Exemplo dessa diversidade foi o evento “A dança que a cidade dança”, com programação de espetáculos que foram desde danças populares a danças clássicas.
A imigração de povos contribuiu para a construção da diversidade artística da capital. Essa manifestação, através dos movimentos, vem de todos os lados, com influências paraguaias, portuguesas, espanholas, japonesas, africanas, indianas, gaúchas, ciganas, regionais entre outras.
Campo Grande conta com inúmeras companhias, grupos e academias de danças que oferecem vivência e conhecimento para outras culturas. Eles abrem as portas para a população da cidade dando oportunidade de contato com a dança.

Entrevistra Organizadora do Evento

Renata Leoni video

Ficha Técnica
Repórter: Daniel Henrique
Imagens: Edilene Borges
Edição: Edilene Borges

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Galeria de Vídeos

Imagens e Edição: Edilene
Borges

video
Mukando Kandongo
video
Litani – Grupo Árabe Brasileiro de Folclore & Dança do Ventre
video
Bárbara Albino – Dança Indiana
video
Associação Okinawa de Campo Grande
video
Tradições Portuguesas
video
Grupo de Dança do Colégio Tic-Tac
video
Isa Yasmim Cia de Dança
video
Nidal Abdul
video
Grupo de Dança do Ventre Ana Aysha

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Festival nacional de teatro se consolida em semana de apresentações na Capital

Por Juliana Gonçalves
Entre os dias 7 e 16 de agosto Campo Grande foi palco do 3º Festival Nacional de Teatro (Festcamp) onde companhias de várias partes do Brasil incluindo da Capital se apresentaram gratuitamente nos teatros Glauce Rocha, Aracy Balabanian, Prosa e também com apresentações realizadas na rua, uma no Calçadão da Barão e ou na praça Ary Coelho, ambos localizados no centro comercial da cidade.

A terceira edição do Festcamp não trouxe apenas peças teatrais para todas as idades, o que incluía inclusive uma peça para bebês de oito meses a cinco anos, onde adultos só entravam acompanhados, ou seria acompanhando as crianças. O festival deste ano inovou com mesas redondas, propondo discussões como “Políticas públicas para o teatro” e foi além oferecendo oficinas ministradas por nomes conhecidos no meio teatral.

“O festival gratuito é muito legal para mostrar pra toda cidade o trabalho de quem esta fazendo teatro, e principalmente por ser gratuito, as pessoas que não tem acesso, pode assistir pela primeira vez, eu mesmo vim de Londrina pra vê o festival, sou daqui e agora estou morando lá, é uma forma de crescimento para nós que ainda estamos estudando, agente vê o que as outras pessoas estão produzindo, como esta se desenvolvendo, o que as pessoas estão trabalhando”, ressalta o estudante Frank Augusto.

O diretor de teatro e também um dos idealizadores do Festcamp Espedito Montebranco lembra que o festival surgiu da idéia de ter um evento que pudesse trazer espetáculos de fora que não fossem tão comerciais e que também conciliasse com o que está sendo produzido aqui.

“A intenção era colocar tudo no mesmo caldeirão pra que a gente tivesse um panorama, por que nós temos a impressão ou as pessoas falam que o teatro no Mato Grosso do Sul não é tão interessante, com isso [Festival] a gente começa a formar um público ou chamar este público para o teatro não só para os espetáculos teatrais”, afirma Espedito.

O ator e diretor Fernando Cruz que está há mais de 20 anos no mercado teatral de Campo Grande, lembra que o evento vai além das apresentações e se torna uma maneira de qualificar quem trabalha no meio sendo uma forma de criar um intercâmbio com outros grupos, com outras produções e outros diretores.

“O festival é importante também para dar conhecimento para os atores e diretores, colocando eles junto com o público, fazendo essa mistura, importunizando o diálogo de quem produz, de quem assiste, de quem tem interesse em fazer”, concluiu Fernando.

Audio Arce Corrêa

video

Uma básica explicação sobre a diferença entre teatro tradicional e teatro feito na rua.

Ficha Técnica:
Repórter: Fernanda Mara
Cinegrafista: Juliana Gonçalves
Edição de áudio: Fernanda Mara

Um Dom Quixote Contemporâneo

Por Ederson Almeida/Fernanda Mara

Com o intuito de fazer parte do ambiente o teatro de invasão faz das linhas arquitetônicas da cidade sua caixa cênica o que também garante aos atores uma maior interação com o público presente. E foi assim que o grupo Teatro que Roda levou ao público o espetáculo “Das saborosas aventuras de Dom Quixote de La Mancha e seu fiel escudeiro Sancho Pança - um capítulo que poderia ter sido”. O espetáculo foi encenado em Campo Grande sobre os olhares atentos e curiosos dos que por lá passavam. O local e horário escolhidos foram premeditadamente pensados e o espetáculo foi exibido as 17hs em um dos cruzamentos mais movimentados da cidade.

História

Um executivo cansado da rotina do dia-a-dia decide partir em busca de um mundo imaginário e sai em busca de aventuras. Pensando ser Dom Quixote de La Mancha e sai pela cidade em busca de sua amada Dulcinéia, que se apresenta em seu imaginário como alucinação, vestida de noiva.


Embarcado nesta piração, convence um catador de papel a ser seu fiel escudeiro Sancho Pança, e este constrói com sucatas no seu carrinho o cavalo Rocinante. Juntos saem pelas ruas em busca de aventuras e cada passante, monumento e aparelhagem da cidade grande se transforma em feiticeiros, dragões e gigantes aos olhos do deslumbrado Dom Quixote.

Olhar

Entusiasmada a estudante Drielly Alves, de 20 anos diz, “foi muito bom assistir o espetáculo, gosto de interagir junto com a peça”. Drielly faz teatro há cinco anos em uma companhia local.

Já atriz Liz Eliodoraz lembra que o grupo está próximo de completar a apresentação de número cem com esta mesma peça, frisando ainda que foram feitas encenações nas mais diversas regiões do país. A atriz faz questão de frisar o comportamento do público local, “O público de campo grande foi bastante aventureiro como a peça”, lembra Eliodoraz.

Foto: Juliana Gonçalves

Mais informações sobre o festival.

http://festcamp.blogspot.com/


Entrevista com o organizador do evento Expedito Monteblanco

video

Ficha Técnica:

Reporter: Fernanda Mara
Cinegrafista: Juliana Gonçalves
Edição de video: Fernanda Mara

FESTCAMP/2009



Fotos: Juliana Gonçalves

Entrevista com o Presidente da Fundação de Cultura Americo Calheiros

video


Ficha Técnica


Repórter: Fernanda Mara
Cinegrafista: Juliana Gonçalves
Edição: Fernanda Mara